Amarrações amorosas

Amarrações amorosas

Um dos primeiros livros sobre magia negra e bruxaria, foi o Formicarius de Johannes Nider,(1380 – 1438), um reputado teólogo alemão. O grimório foi escrito em 1435, e publicado em 1475. Já o primeiro livro de demonologia a ser impresso mecanicamente, foi «Fortalicium Fidei», no ano de 1845, do celebre demonologista Alphonsus de Spina ( n. 1941), um influente Bispo franciscano Espanhol. Já Jean Vineti, um padre Dominicano Frances, publicou em 1450 o «Tratactus Contrademonum Invocatores», no qual combatendo os cépticos que descriam do oculto, Vineti confirma e comprova a realidade da existência de demónios, da magia negra, da bruxaria e das bruxas.

Em 1317, o Bispo Richard de Ledrede, um clérigo Franciscano oriundo de França, deparou-se com a realidade da magia negra, da bruxaria e das bruxas. O Bispo de Ledrede confirmou pessoalmente os eventos sucedidos na Irlanda com uma bruxa de nome Alyce Keytler, e deixou testemunho sobre a realidade da existência da magia negra, e dos seus efeitos. Os bruxedos e amarrações amorosas, são por isso realidades historicamente comprovadas e com efeitos muito reais. Um desses casos historicamente comprovados de magia negrabruxaria e amarrações amorosas, sucedeu na Irlanda do século XIV. Por volta dos anos de 1324, a bruxa Alyce Keytler era famosa pelos seus notórios trabalhos de magia negra, e o Bispo foi testemunha disso quando foi enviado para a Irlanda, onde habitava a célebre bruxa. A bruxa tinha sido casada quatro vezes, sendo que o ultimo dos seus maridos – um rico burgês –  foi conquistado com recurso a uma forte amarração feita pela bruxa Alyce Keytler. Conforme a bruxa amarrou todos os homens que quis sempre com sucesso, pois também fez amarrações amorosas para todos os fins á interminável clientela que procurava pelos seus reputados préstimos ocultos. A sua fama chegou a todos os cantos da Irlanda. Quando ainda jovem, e antes dos seus quatro casamentos,  Alyce Keytler foi visitada pelo demonio, que lhe apareceu incorporado – através de possessão demoníaca – num homem que se dizia chamar Robert Artinson. O homem tanto aparecia como se esfumava, e nunca ninguém soube mais nada sobre este homem. O espirito de trevas era um demonio-menor dos infernos, e rondando Alyce Keytle na forma e nome de Robert Artinson acabou por seduzir a mulher, que a seu pedido renunciou á fé cristã dentro de uma igreja. A renuncia era tão mais agradável ao demonio, quanto feita dentro de uma Igreja, assim aumentando-se a profanadora heresia, realizando-a diante de um altar de Deus. Depois da renúncia, a bruxa entregou-se ao demonio em relações lascivas, e celebrou Pacto com o Diabo. De cada vez que desejava invocar o demonio Robert Artinson, a bruxa Alyce Keytle sacrificava o sangue de tres galos numa ponte. Assim fazendo, Robert Artinson aparecia-lhe imediatamente do outro lado da ponte. Por vezes aparecia na forma de um homem, outras na forma de um gato preto, ou um cão negro. Foi também dentro de uma igreja que a bruxa Alyce Keytle celebrou vários ritos satânicos, incluindo Missas Negras, nas quais celebrou fortes trabalhos de magia negra, alguns deles sendo amarrações amorosas que se tornaram lendárias. O demonio assistia a todas as magia negras da bruxa, dando-lhes grande poder. Conforme o demonio era um sedutor de bruxas, pois também todos os trabalhos de sedução e luxuria celebrados pela bruxa e o seu demonio, tornavam irresistíveis. Muitas foram por isso as mulheres que desejando um homem, ou homens que desejando uma mulher, recorreram das amarrações amorosas da bruxa Alyce Keytle. E o seus resultados eram espantosos. Nesse tipo de trabalho de magia negra, a bruxa usava de ingredientes lançados ao seu caldeirão, como intestinos de galo preto, vermes, unhas de um defunto falecido sem ter sido baptizado, pedaços e cérbero de criaturas de tenra idade. O fogo do caldeirão era sempre feito com madeira de carvalho, e a durante a celebração dos ritos, a bruxa tinha sempre consigo o crânio de um ladrão condenado á morte, e que nunca tinha visto a água do baptismo. Esse crânio, acompanhava sempre a bruxa em todos os seus trabalho de magia negra. Na feitura dos seus trabalho de magia negra, a bruxa era acompanhada e assistida pela sua amiga e empregada Petronilla de Mear. Também Petronilla de Mear havia participado em Sabbat Satanico por convite da bruxa Alyce Keytle, onde fez Pacto com o Diabo, havendo-se depois entregue a lascivos festins nocturnos onde se entregou a luxurias com outras bruxas e vários demónios. Foi a própria amiga e empregada Petrollina de Mear, que varias vezes afirmou que Alyce Keytle era a mais perversa e temível bruxa viva na Irlanda do seu tempo. E a sua vasta clientela confirmava-o, pois eram incontáveis os pedidos de amarrações amorosas recebidos pela bruxa. O ultimo dos maridos de Alyce Keytle era um homem de grandes posses chamado John le Poer, e casando-o, a bruxa tornou-se uma das mulheres mais ricas das redondezas. Por isso mesmo, a sua fama espalhou-se pelos quatro cantos daquelas terras irlandesas, pois sabia-se que a bruxa conseguia lançar as mais fortes amarrações amorosas, fosse sobre quem fosse. E se a vítima fosse teimosa e teimasse em resistir, então sofreria grandes padecimentos até ceder. Cedendo, os padecimentos cessavam. E porem teimando em resistir, então os padecimentos persistiam e iam aumentando passo-a-passo, até ao ponto da desgraça da desafortunada criatura que houvesse sido embruxada. Fosse como fosse, a vitima nunca mais se livrava do bruxedo, nem de quem a mandou embruxar. Nunca mais. Assim é o resultado de uma amarração amorosa feita por magia negra. Não há escapatória. E por isso, a pessoa não tem alternativa senão ceder.

Outros trabalhos de magia negra para amarrações amorosas ficarem célebres na França do século XVI. Foi o caso do padre Pierre Aupetit . Pierre Aupetit era sacerdote cristão  na paroquia de Paias, na localidade de Limousin, França. Porem, na verdade o padre cristão era igualmente um padre satânico, e um notório bruxo. Por volta de 1589, Pierre Aupetit tinha sido abordado por um demonio sucubbus incorporado na forma de uma jovem mulher. O demonio tomou posse da bela donzela através de possessão demoníaca, e seduziu o padre com todo o tipo de tentações carnais. Havendo cedido aos encantos do demonio feminino,  o padre Pierre Aupetit foi persuadido a frequentar um Sabbat Satânico, onde ali dessacralizou os seus votos, fez pacto com o Diabo, que se lhe manifestou na forma de um bode negro. Estando o pacto celebrado, o bruxo participou num profano festim de luxuria com varias bruxas e demónios femininos. O padre Aupetit recebeu assim um espírito demoníaco familiar que o acompanhava e auxiliava em todos os seus trabalhos de magia negra. Havendo lido em antigos grimórios de magia negra disponíveis nos Sabbats que frequentava, o padre aprendeu vários tipos de bruxedos, especialmente as amarrações amorosas. A verdade é que dai em diante,  toda a paroquia bem notava que o padre apesar da sua idade já avançada, conseguia sempre atrair a companhia de qualquer mulher que desejasse, desde a mais madura, á mais donzela. Na verdade, o bruxo conseguia tomar para si e possuir qualquer mulher que pretendesse, e por isso a reputação das suas magias negras de amarração amorosa espalhou-se de tal forma, que secretamente o padre recebia incontáveis solicitações para os seus préstimos ocultos.

Em 1428, a Itália da Idade Media teve uma das suas mais famosas bruxas da época, a bruxa Matteuccia. A bruxa residia nos arredores de Perugia, perto de Umbria, no centro de Italia. A bruxa era conhecida por usar uma unção esfregada pelo seu corpo nu, que invocava irresistivelmente o Diabo. A fórmula da unção havia sido escrita há muito por uma velha bruxa, e foi-lhe dada pelo próprio Demonio. Usando-se da unção no corpo de uma bruxa, a sua fragância atraia o Demonio de forma quase imediata, vindo ele sempre com desejo ardente de possuir a bruxa, para depois lhe conceder todos os favores que lhe fossem pedidos. A formula era feita a partir de alguns ingredientes conhecidos, e outros desconhecidos. Entre aqueles que se conheciam, estava a gordura de defuntos que não houvessem sido baptizados, cascos de mula-fêmea, penas de certas aves, ossos de defuntos pagãos da antiguidade, e outros mais ingredientes, tudo ardido e reduzido a um , que depois era usado para fabricar o unguento. Por dominar tais fórmulas que até ao Diabo seduziam, é que a bruxa ficou famosa pelos seus trabalhos de magia negra de amarrações amorosas, pois que se nem demónios lhe resistiam, então ainda menos os homens embruxados. A bruxa Matteuccia celebrava os seus sabbat satânicos junto da arvore de nogueira de Belavento, onde ali se reuniam bruxas e demonios para prestarem culto a Satanás. Nesses sabbats, juravam fidelidade a Satanás, entregavam-se a obscenos festins de devassa luxuria com demónios, prometiam espalhar a obra da magia negra pelo mundo, e produziam trabalhos de magia negra, alguns feitos de ingredientes como gordura de abutres, de morcego, e sangue de criaturas de tenra idade. A bruxa Matteuccia visitava a árvore de nogueira ás segundas, sábados e domingos, que foi quando o Demonio lhe ordenou que ali fosse. Dai a bruxa ia para a casa de uma senhora de nome Andreucia, no castelo de Montefalco, onde a mulher lhe reservava criaturas de tenra idade para se lhe sugar o sangue, usado que era nos ritos de magia negra. A rica mulher do castelo encomendava todo o tipo de trabalhos de magia negra á bruxa Matteuccia, pois as bruxarias eram fortes e a sua fama era reconhecida por toda a Itália. A bruxa Matteuccia era famosa pelas suas ajudas maritais, ou seja, realizando fortes trabalhos de magia negra de amarrações amorosas. Muitas mulheres desesperadas e desprezadas pelos seus maridos ou amantes, recorriam dos préstimos ocultos da bruxa italiana. Um desses casos ficou famoso quando a senhora do castelo de Collemezo foi abandonada, humilhada e maltratada pelo seu esposo. A bruxa Matteuccia fez um trabalho de magia negra no qual usou um ovo que foi baptizado com o nome do marido, e colocado no seu caldeirão de bruxa, onde foi ardido e consumido em chamas juntamente com ingredientes ali derramados no caldeirão. Enquanto a fórmula ardia em chamas que pareciam invocar as próprias labaredas do inferno, a bruxa lançou uma forte maldição apontando-lhe a sua vara de bruxa, enquanto entoava um encantamento em Latim. O bruxedo foi de tal forma forte, que o marido da senhora do castelo de Collemezo foi seriamente atacado de indisposições. Os mal-estares eram de tal forma, que o homem recolheu ao seu lar, pois não tinha forma de andar e sair para ir ter com a sua amante. E nos cuidados do regaço da sua esposa, lá o homem acalmou e ficou com a mulher. E a verdade, é que os padecimentos do marido apenas cessaram quando ele se entregou novamente á esposa. Enquanto teimou em resistir ao bruxedo, as suas agonias apenas pioravam, e não havia médicos que o conseguissem ajudar. Assim se ficou a saber como actuam os trabalhos de magia negra para trazer o amor de volta: ou a vítima cede a quem a mandou amarrar, ou então ela sofre atrozes padecimentos até ceder. Cedendo, os padecimentos cessam. Porem, teimando em resistir então os padecimentos persistem até ao ponto da sua desgraça. A pessoa não tem alternativa senão ceder. Seja como for, nunca mais a vítima se livrará do bruxedo, nem da pessoa que a mandou embruxar. Nunca mais. E por isso, a pessoa não tem alternativa senão ceder.

Outro caso ficou celebre, quando por volta do ano de 1427, uma senhora do castelo de Prodo no distrito de Orvieto, se queixou que o seu homem ao invés de cuidar das suas necessidades e fazer amor com ela, antes lhe batia. A bruxa realizou um trabalho de magia negra através de bonecos de cera, e passados tempos soube-se que para grande alegria da mulher, o assunto estava resolvido, e o homem cumpria apaixonadamente com os seus deveres. A fama da bruxa Matteuccia tornou-se de tal forma célebre, que chegou aos ouvidos de são Bernardino ( 1380 – 1444), que curioso se deslocou de Sena a Todi – onde a bruxa Matteuccia residia na altura – para assistir a tais prodígios heréticos de magia negra, e assim dando-se testemunho dos seus lendários trabalhos de magia negra.

Um outro celebre caso de magia negra, bruxas e bruxaria relacionado com amarrações amorosas, ocorreu na Escócia do século XVII. A bruxa Isobel Haldane era famosa por volta do ano de 1623, quando muitos dos seus trabalho de magia negra eram já conhecidos. A bruxa Isobel Haldane certa vez visitou uma encosta, onde ali permaneceu desaparecida por tres dias, de quinta feira a domingo. Muita gente procurou pela mulher, porem ninguém a encontrou, nem mesmo nessa encosta. Haldane parecia ter-se esfumado no ar, havendo reaparecido apenas do domingo, ao meio-dia em ponto, quando os sinos da Igreja dobravam para a celebração de Missa. Foi nesses tres dias que o Diabo se encontrou com a bruxa na forma de um homem com barba grisalha, tendo-a seduzido, tendo-lhe ensinado as artes da magia negra, e tendo ali sido celebrado Pacto com o Demonio.  O evento de o desaparecimento de uma mulher por dias, e que depois regressa já convertida em bruxa, sucedeu por diversas ao longo da historia, e em casos documentados. Foi o caso da bruxa Bridget Cleary (1868 – 94), uma bruxa irlandesa de vinte e seis anos que em 1894 também desapareceu durante três dias na área de Kilegranach, uma zona conhecida por ser assombrada por espíritos de bruxa já falecidas. Diz-se que foi aí que Bridget foi atraída pelos espíritos de tais bruxas, deles recebeu ensinamentos, e durante esses dias transformou-se numa bruxa. Passados dias, Bridget voltou a reaparecer na sua vila, ainda estado de aparente confusão e desnorte. A bruxa Isobel Haldane tambem reapareceu e regressou convertida em  bruxa, e varias pessoas da localidade testemunharam o quão diferente Isobel Haldane tinha regressado dos seus três dias de desaparecimento. Dai em diante, a bruxa Isobel Haldane passou a celebrar temíveis trabalho de magia negra. Um dos mais célebres, sucedeu após o reaparecimento de Haldane, e ficou famoso. Certa vez um homem de nome James Christie estava a comprar um berço numa loja. A sua esposa estava gravida, e esperando um bebé que nasceria em breve. Tendo-se James Christie cruzado com a bruxa, ela lhe disse para que não tivesse muita pressa em fazer aquela compra, uma vez que o seu bebé que estava para nascer em cinco semanas nunca se deitaria naquele berço, que nasceria e beberia leite materno uma vez, mas logo depois seria levado. Foi horrorizado que James Christie escutou aquelas palavras, pois que tudo veio a suceder conforme a bruxa disse. A verdade é que a bruxa tinha recebido a encomenda de um trabalho de magia negra dirigido a James, e requisitado por uma mulher que amargurada por ter sido desprezada por James, lhe mandou lançar uma amarração amorosa. Como o homem teimava em resistir ao bruxedo, e não se separava da mulher, então o bruxedo persistiu em infestar a vida do homem, sempre a castiga-lo, até que atingiu o limite da desgraça, desgraçando-lhe o lar. E as desgraças só pararam, quando o homem se foi deitar com a mulher que o tinha mandado embruxar. Mas assim que James se entregou á mulher desprezada, todos os padecimentos desapareceram tão misteriosamente quanto tinham aparecido. Assim operam as amarrações de magia negra: ou a vitima do bruxedo cede, ou então os castigos persistem até a vitima ceder. Cedendo, os castigos cessam. Porem, teimando em resistir, então os castigos persistem até ao ponto da desgraça. A pessoa não tem alternativa senão ceder. Seja como for, a vitima nunca mais se livra do bruxedo, nem da pessoa que o mandou embruxar. Nunca mais. E por isso, a pessoa não tem alternativa senão ceder.

Todos estes saberes ocultos de bruxaria e magia negra, persistem ainda hoje a ser praticados com a mesma eficácia de há séculos atrás. Quem ainda detém estes saberes, persiste ainda hoje, como no passado, a celebrar as mais fortes amarrações amorosas.

Quer amarrações amorosas?

Fale com quem sabe.

Escreva-nos!

© 2019, admin. All rights reserved.

This entry was posted in amarrações and tagged , , , , , , , . Bookmark the permalink.